terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

ENERGIA QUE EMANA

foto tirada daqui
Não sei vocês, mas sou ligada nesses negócios de energia.
Não sou daquelas esotéricas, que andam com cristais equalizadores do universo, tanto que nem sei se é assim que eles se chamam, mas acredito fortemente que a gente atrai tudo aquilo que emana.

Tá, eu sei que tem dias que vem pancada de todos os lados. Que nem sempre estamos preparados para levar aquelas danadas rasteiras da vida. Mas os últimos anos me provaram que toda aquela energia que a gente emana, volta de alguma forma.

Não vejo a energia como algo superficial, que a gente fala "estou mandando boas energias para você", e depois abre um link de um site qualquer e nem pensa mais na pessoa. E também não acredito em várias coisas que dizem por aí.

Mas eu sei que quanto mais a gente é positivo, mais as coisas fluem.

Existem dias em que a positividade não aparece por nada. Nem com reza braba. Quer dizer. Talvez, se fecharmos bem os olhos, respirarmos bem fundo e pedirmos com todas as nossas forças para que ela apareça, talvez ela apareça.

Não em forma de milagre. Mas em forma de força de vontade. Sei. Esse papo "good vibrations" é muito chato às vezes, só que eu acredito, de coração, que temos controle sobre tudo aquilo que sentimos. E vou contar, bem brevemente, a minha experiência.

Sou reclamona. Sofredora que só eu. E eu sou 100% coração. Canceriana com ascendente em câncer. Daquelas que consegue sorrir os sorrisos dos outros e chorar as lágrimas de quem sofre, mesmo que eu nem conheça essas pessoas. Então sempre me deixei afetar, e muito, pelas energias escuras e destrutivas (será que é assim que elas se chamam?) e por muito tempo me senti deprimida. De ter vontade de chorar em momentos aleatórios, não ter vivacidade (que é um dos significados do meu nome!!!!) e ainda por cima, viver uma bad vibration quase que em full time.

Notei que navegar nessa energia pesada só me deixava mais e mais pesada. E pior: ninguém ligava para a minha bad. Para a minha cara amarrada. Minha cara de dó. De "me amem, pois preciso muito da aprovação de vocês". E aí eu refleti que a gente é aquilo que sente. E que se eu queria me sentir bem comigo mesma, eu deveria escolher sentir isso diariamente.

Nos dias de sol e piscina, nos dias de cansaço e muito trabalho, até mesmo nos dias de raiva. Aprender a lidar com os nossos próprios sentimentos é um processo longo e infindável, algo que a gente vai fazer para o resto da vida. Mas que é preciso. Vivo dizendo para os meus amigos: nós somos responsáveis apenas pelo que parte de nós. Então, dessa forma fica mais fácil de dividir o que realmente precisamos sentir ou não. Esses dias mesmo, estava louca da vida e me permiti sentir toda a raiva que explodiu na minha frente, daquelas que até disparam o coração e amolecem as pernas de tão intensas.

Mas depois de sentir tudo aquilo com tanta vontade, ela sumiu. Em poucas horas. E eu fiquei serena. Porque eu joguei ela toda fora. Mentalizei isso enquanto a sentia. De novo: somos responsáveis apenas por aquilo que parte de nós. O que os outros fazem é responsabilidade deles e não podemos deixar isso nos invadir e tomar conta de nossas vidas. 

Por isso que acredito tanto que quando emanamos uma energia bonita, positiva e alegre, mesmo os dias mais obscuros, clareiam. Mesmo os dias de maior sofrimento, se tornam mais tragáveis. Não seremos monges budistas, que relevam tudo como santos que são. Não. 

Eu penso que é só uma forma mais leve de encarar a vida, com gratidão e positividade. E é uma escolha diária. Viver ou Definhar. Por isso, ando vivendo. Muito bem, obrigada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...