sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Pitada de Beleza: Sombra Chumbo - Natural Line

Se tem uma coisa que é mais legal do que maquiagem é maquiagem BOA e BARATA, afinal vira e mexe a gente compra um batom de R$50 reais, uma paleta de R$200 e apesar de serem coisas lindas e que desejamos muuuito, é muito bom fazer compras em que o custo é pequenino.

No ano passado comprei uma sombra vermelha da marca Natural line e fiz a resenha aqui no Pitada. Como ela foi super barata, fiquei querendo voltar na mesma perfumaria e ver se encontrava mais opções de cores e foi o que fiz no final do ano passado. Escolhi três cores dentre as que estavam disponíveis e hoje vou mostrar a Chumbo para vocês!



Ela tem esse tom de grafite escuro, bonita e tem partículas de brilho prata. Acho que ela fica super legal para esfumar o côncavo e também para fazer a base de um olho escuro, só que sem preto.



A pigmentação dessa marca é muito boa pelo preço: R$5 e apesar dos brilhos não fixarem tanto, não é nada que me incomode, afinal se eu quiser glitter é só aplicar um solto por cima e pronto. Nas amostras acima, no olho é a sombra sem primer e no braço, no lado esquerdo sem primer e no direito com fixador. A Diferença é sutil, senti apenas que ela ficou mais metalizada e grudou mais na pele, bom para os dias de festa, em que a make precisa durar a madrugada inteira!

Se verem essa sombra dando sopa em alguma perfumaria perdida por aí, garantam uma para chamar de "sua", pois vale cada centavo e olha que serão poucos!!

Look do dia: texturas e estampas

Os dias quentes são um dificuldade para quem precisa trabalhar: ao mesmo tempo que o look tem que estar minimamente alinhado, precisamos encontrar maneiras de não passarmos tanto calor. Felizmente eu trabalho em uma agência de comunicação e é mais fácil encontrar maneiras de colocar as pernocas para fora e ficar mais fresquinha. Mas ainda assim, minhas saias são bem curtas e nem todas eu consigo usar para trabalhar #piriguetchy.

Então acabo usando sempre mais ou menos as mesmas para vir trabalhar. Que é o caso de AMOR ETERNO com a saia da Topshop. Adquirida em uma liquidação no ano passado, ela saiu com o preço do amor por R$35 reais e desde então toda vez que eu não sei o que vestir, acho que está muito simples, ou acho que está muito curto, escolho ela para habitar na minha vida. Ela segue o estilo "lurex" com esse tecido com fios brilhantes e ela reluz à noite, porém de dia também tem seu charme.

E tem uma coisa que gosto na hora de montar o look é escolher misturas ímpares e ontem aproveitei a dúvida fashion na hora que abri o armário e misturei o lurex da saia com a estampa da blusinha de brechó, que eu AMO com a vida. Ficou assim, parecendo uma lady, mas com esse toque de modernidade que eu prefiro (não faço o estilo romântico, já deu para perceber né?).





Normalmente já não uso muitas bijous e no calor isso se agrava né, afinal se tem uma coisa que me irrita é badulaque me sufocando no calor. Só que como o look tava mocinha fofa, resolvi usar o colar que ornou com a estampa e a rasteirinha que eu "customizei" de última hora, e já bastava porque não tinha muito mais badulaque que eu conseguiria aturar!

O óculos escuro é de lei, já que não tem como ficar sem e viver feliz e o cabelo no alto da cabeça também, já que com o calor, o pescoço fica todo incomodado. Gente, eu gosto do sol e do calor, mas cabelo solto para mim é beeem difícil! Eu até tento, mas no meio do dia ele já vai estar no alto da cabeça!





Sobre a rasteirinha, ela tinha uma tira preta entre a alça do tornozelo e a alça do pé, mas eu quis tirar, já estava com vontade de fazer isso faz tempo e sinceramente? Gostei muito mais assim, ficou mais bonito e deixou a minha tatuagem mais à vista! No fim, ficou assim, fofo e fresquinho. Se bem que eu preferia mesmo era estar de biquini em alguma piscina por aí...

Rasteira C&A R$50 | Saia Topshop R$35 | Blusa Brechó R$10 | Colar 25 de Março R$15

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Diário da Blogueira: A mania de definição




Por essência, todos os anos, semestres e meses, as grandes marcas, grifes, empresas de moda, lançam algum “must-have” e ai aquela loucura toda em cima de algo acontece feito mágica. Todas as lojas têm a sua versão da tendência, todos compram. Todos usam. E Ok, isso é um ciclo, certo?

Bom, nem tanto. No finalzinho de 2013 saiu o anúncio da Pantone (empresa que cria, cataloga e denomina cada tom de cor existente) que a Cor do Ano de 2014 seria o Radiant Orchid (essa aí da foto). Foi a empresa fazer o ano e aconteceu o mesmo que no final de 2012 com o Verde Esmeralda: Milhares de posts, looks, maquiagens e matérias sobre a mesma coisa: a cor do ano. 

Eu entendo que quando essas tendências são anunciadas, todo mundo quer ter um pouquinho de “visionário” e anunciar que já está sabendo do babado, mas não é bem por aí.  Vamos recordar a modinha dos azulejos e cerâmica portugueses e como isso voou das prateleiras em questão de semanas e de como quase não se vê mais sobre. Foi tão instantâneo e intenso que parece que evaporou.

E é nisso que me sustento quando vejo essas assustadoras tendências que surgem e causam esse boom, principalmente na blogosfera: a intensidade das pessoas em anunciar, usar e estarem “antenadas” é tamanha que em poucos meses o negócio parece não fluir mais. Todo mundo enjoa, acha uó, cansa. E você? Guarda sua saia de R$250 reais que comprou apenas porque leu que seria o maior babado do ano.

Eu não costumo falar em tendências no blog antes que elas realmente entrem na minha vida justamente por isso. Falta tato, preparo e conhecimento de causa por parte da maioria das blogueiras ao falar de moda, de tendência. Ser um mero reprodutor de informação de moda não vale, não passa credibilidade, só mostra o quão desesperado você está em se afirmar como “entendido” do assunto.

Ok, mas porque esse post? Porque precisamos refletir. Eu não tenho nenhuma peça na cor do ano, só um biquíni que comprei em outubro para ir para Jericoacoara e nem foi intencional: ele foi barato e servia em mim, essa é a minha lógica para biquínis, tirando isso, não tenho roupas e não acho que a cor combine tanto com o meu tom de pele. Além do mais, lilás (porque essa é a cor e pronto), nunca foi meu forte, assim como os diversos tons de rosa.

Quando alguém anuncia que algo será moda, precisamos primeiro respirar, pensar bem e ver se aquilo ali orna com a nossa vida, com a nossa personalidade. Eu não vou pintar uma parede de Radiant Orcuid porque a Pantone anunciou que seria a cor do ano. Nem muito menos comprar diversas peças de roupa pelo mesmo motivo. Primeiro vou ver se aquilo ali faz parte de mim.

Um exemplo disso é o Vinho, Burgundy, chamem como quiserem. Quando essa cor entrou na “modinha” percebi que me identificava muito com o tom e depois que comprei a primeira peça na cor, viciei e fui comprando várias, que eu até já dei um tempo de tanto que usei. Essa foi uma relação saudável, para mim, pois eu realmente amo a cor e continuo gostando dela mesmo após 2 anos que a modinha rolou.

Não quer dizer que vamos ser tão ferro e fogo. Eu compro coisas no impulso às vezes, mas procuro analisar muito bem meus investimentos, ainda mais agora com as coisas da compra do apartamento, só que eu sempre penso se aquilo ali vai fazer a diferença no armário. Afinal do que adianta ter todas as tendências e não saber usá-las sem dosá-las? 
 

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Diário da Blogueira: as linhas que nunca preenchi

Eu nunca sei o que escrever numa agenda. E mesmo que escreva, depois não sei o que fazer com aquelas informações.

Desde sempre achei o máximo aquelas primas que tinham diário e escreviam nele todo santo dia, e também aquelas que tinham as agendas mais legais, coloridas e com adesivos bonitos e nas agendas tinha data de prova, entrega de trabalho, ingresso da tarde de cinema com as melhores amigas, papel de bala do gatinho da escola.

O máximo que eu tive foram cadernos velhos com jogadas palavras aleatórias sobre coisas que nem eram segredos, nem eram provas de final de ano. Eram apenas palavras, sem apelo estético. Sem palavras codificadas para esconder meus mistérios de menina.

Eu nunca consegui alimentar nada disso. A ironia talvez seja que hoje eu tenha um blog e alimente isso.

Mas na verdade eu sempre invejei a organização daquelas primas, a organização com suas memórias, com suas responsabilidades de gente criança, com suas paixonites descritas ali naquelas páginas que eu nem cheguei a ler. Eu só pude me contentar com as embaralhadas lembranças e datas na minha cabeça.

A verdade é que eu nunca fui boa em alimentar textos escondidos. Em me prender em calendários exatos. Me regrar pelas linhas de um caderno timbrado.

Eu sempre fui essa confusão certeira, com memória de leão e de peixinho dourado ao mesmo tempo. Com exatidão para algumas coisas e extrema distração para outras. E talvez seja por isso que eu precise de alguém para ler meus mistérios e acompanhar minhas memórias. O caos que habita em mim não gosta do escuro, do segredo. Por essência, ele gosta do próprio caos.

Look do dia: o básico que eu prefiro

Vira e mexe encontro fotos de looks perdidos na memória do computador. Acho que toda essa correria que tem sido a minha vida, me fez ficar um pouco relapsa. Mas tudo bem, venho aqui e posto, afinal o importante mesmo é mostrar as combinações que faço com meu guarda-roupas, né?

Lembro bem do dia que usei essa roupa. Estava calor, mas não muito, então levei a jaqueta bomber para colocar nas horas de ar condicionado gelado e também no fim do dia, caso esfriasse. Bom, apesar das cores e do dourado, esse é meu look do dia básico, diferente do jeans+tshirt+sapatilha.

Acho que quando caímos nesse básico que citei acima, o comum fica muito mais evidente, eu não me sinto tão bem com essa combinação, eu uso quando rola aquela HIPER preguiça , tipo em dias de TPM, mas não é aquele look que eu uso e digo: beleza, mesmo básica essa sou eu.




Já no caso dessa combinação eu me sinto arrumada, mas básica, sem penduricalho ou combinações ousadas/perigosas. Só normal. Isso faz parte de uma evolução, de um amadurecimento dentro da minha própria personalidade. A gente passa a se entender melhor, ver o que funciona, ou que não dá certo e assim a gente vai ficando mais criativo nos looks, mesmo que eles nos pareçam básicos e fora do comum, ao mesmo tempo.

Creeper Spot Shoes R$30 | Skinny Renner R$70 | Regata Têxtil Abril R$13 | Jaqueta Bomber Brás R$18 | Bolsa Carteiro Renner R$ 80

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Look do dia: Meu primeiro jeans com jeans

Tem alguns modismos que ficam tanto tempo "na moda", que dá tempo da gente se render a eles. O jeans com jeans nunca foi a minha tendência favorita, na verdade o jeans em geral me enjoou. Acontece que quem sai para trabalhar todo o santo dia e não necessariamente precisa usar social completo, acaba sempre caindo no comum: jeans.

Isso transforma as peças em jeans muito comuns, batidas, até sem graça. A soma de duas peças em jeans vem durando por algumas estações e até agora não encontrei uma camisa que me agradasse em todos os pontos: estilo, modelarem e preço. Mesmo não sendo minha modinha passageira duradoura favorita, sempre procurei uma peça dessas para chamar de minha.

Eu estava andando pela C&A no finalzinho do ano passado quando vi esse coletinho jeans e me apaixonei, porém não levei já que a fila estava absurdamente grande por ser pré véspera de natal e um domingo em um shopping recém inaugurado (pensem no caos), então aproveitei que na segunda muitas pessoas ainda estavam trabalhando e fui lá para busca-lo e o pior aconteceu: ESGOTOU. Já fiquei azeda na hora que cheguei na arara que na tarde anterior estava lotada de modelos iguais, e procurei vendedores para perguntar se eles haviam mudado as peças de lugar.

Felizmente esbarrei com uma menina bem intencionada e mesmo tendo ciência de que o coletinho havia acabado, ela foi até o provador tirar a teima e encontrou um tamanho 38. Era um número maior do que eu tinha provado e ficado bom, mas mais vale um 38 na mão do que dois 36 no corpo de outras meninas. Então levei.









Já usei a peça algumas vezes mas ainda não tinha me aventurado em montar algum look que fosse exclusivamente composto por jeans nas roupas. Hoje eu acordei pensando em qual seria o look fresquinho-porém-não-muito-exposto-do-dia, já que tem chovido no final do dia e estar de saia/vestido é um problema quando chove, então pensei "porque não arriscar?" e foi isso que saiu.

Para ser sincera, quando me olhei no espelho me senti num túnel do tempo direto para o meio da década de 90, que está tão em voga nos últimos tempos (já perceberam?) e mesmo com essa calça, que não é a minha favorita, me senti bem e confortável e com essa pitadinha de nostalgia da época da minha infância. Para completar o jeans com jeans com cara de anos 90? Claro que um Keds é super bem vindo, afinal o tênis completa a ideia retrô!

Viram como as fotos ficaram legais? Dessa vez eu levei a câmera para a agência e lembrei de pedir para a Van fotografar, vou tentar fazer sempre, ok?

Keds R$80 | Jeans R$30 | Colete C&A R$50 | pulseiras sortidas da 25 de março

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Pitada de Beleza: Paletas Naked 1 e Naked 2 da Urban Decay

Quando eu comecei a me aventurar pelo mundo das maquiagens conheci, como muitas outras meninas, as fabulosas sombras da Urban Decay. Havia (e ainda há) uma grande expectativa, uma grande especulação em cima das paletas da marca, as Naked, tão queridinhas por blogueiras e maquiadores pelo mundo.

Quando não se é tão entendido, nem nunca usou uma delas, a gente se pergunta "será que elas são tudo isso mesmo?". Eu mesma fazia essa pergunta sempre que via alguém se derretendo por elas.

Cientes do meu gosto (e agora profissão) por maquiagem, sempre que amigos ou parentes de amigos bem próximos, vão para o exterior, eles perguntam se quero algo. Da vez que pedi para me trazerem uma Naked, elas ainda custavam R$250 na Sephora e eu ainda não tinha testado elas para saber se valiam o investimento.

Bom, encomendei a Naked 2, porém a pessoa não encontrou e perguntou se podia ser a Naked 1. Mais vale uma na mão do que duas voando, não acham? Então eu aceitei a troca e pirei quando ela chegou, porque sim, ela é tudo isso.

Demorei bastante tempo para fazer a resenha da Paleta (tanto que vim mostrar as duas ao mesmo tempo), por um motivo bem plausível: mesmo trazendo de fora, a paleta custou 120 reais e isso é bastante dinheiro, principalmente para nós, pobres mortais, então quis usar as sombras em todas as maquiagens possíveis, tanto em mim, quanto em clientes, para pode falar : COMPREM SEM MEDO DE ARREPENDIMENTO.

Então acho que já usei o suficiente para atestar isso sobre a qualidade da Urban Decay. É excepcional, pelo menos na minha opinião. Algumas meninas acham as sombras da marca esfarelentas, mas isso não chega a me incomodar. Eu prefiro a sombra que você não precisa ficar esfregando o pincel para sair.

A maciez dos produtos da marca facilita muito na hora de esfumar, por exemplo. E também a aderência na pele não deixa a desejar, mesmo sem primer as cores são super pigmentadas e duram na maquiagem por horas.

Porque investir em uma Naked?
Acho que antes de comprar a paleta você deve se perguntar isso. E eu tenho algumas opiniões a respeito:
- São 12 tons neutros, entre sombras opacas, acetinadas e com brilho.
- Entre os tons estão opções para o dia a dia e cores para produzir maquiagens mais sofisticadas.
- As duas primeiras possuem tons mais "universais" (a terceira, que ainda não vende no Brasil, é mais rosada, a menos neutra, por assim dizer, de todas!)
- Fácil de guardar e carregar
- Bom custo benefício (por R$200 reais na Sephora, cada sombra sai por R$16,60)
- Produto com qualidade
- Combina com todos os tons de pele
- São lindas e enchem os olhos de quem vê

Eu poderia colocar mais motivos, porém acho que o mais importante é saber que mesmo sendo um produto caro, será um produto com bom custo benefício e que mesmo não sendo uma maquiadora excepcional, são sombras fáceis de trabalhar, então por mais simples que a maquiagem seja, se feita com carinho e de maneira limpa, vai ficar bonita sim!


Naked 1
Ela tem tons mais acobreados e quentes. Com ela é possível produzir diversas maquiagens neutras e também maquiagens para noite, pois tem lindos tons de grafite. Ela é ótima para quem gosta de diversificar, mas que não é tão ousada para apostar no pretão, por exemplo. Se você não liga para o preto opaco e não vai sentir falta da cor (caso queira ter uma única paleta), aposte nessa, que vai te proporcionar lindos looks.

Minha sombra favorita de todas é a Buck, o marrom opaco, tanto que é a mais usada até o momento, vou ver se tem para vender ela unitária. Gosto muito de outras também, mas é prática e fica boa em todos os tons de pele que já maquiei com ela.




Naked 2
Comprei a minha no final do ano passado e ainda não a usei tanto quando a 1. Confesso que ainda estou admirando ela um pouco. Demorei tanto para investir nela, que deu aquele pequeno dó de sair usando sem parcimônia. Ela tem um tom igual ao da primeira, o Halfed Baked, que é a segunda cor da paleta. Não sei porque ela ganhou uma segunda "casa", não cheguei a pesquisar sobre o motivo, porém ela é linda, então merece estar presente em duas paletas diferentes.

A segunda paleta da coleção é mais "fria", com tons mais prateados. Ela tem sim tons quentes, porém são minoria. Acho que ela é mais prática do que a primeira, por ter desde a sombra clarinha para iluminar pontos estratégicos da maquiagem, como o preto opaco, que é uma sombra excepcional. Como ela tem dois tons mais quentes, como o dourado e o acobreado, ela acaba sendo mais completa por apresentar opções em prateado, cinza e chumbo. Na hora de criar makes, fica mais fácil ter opções diversas, ao invés de muitos tons parecidos.

Que é o caso da Naked 3, recém lançada no exterior: são todos tons rosados. Ela tem dividido opiniões pela web, porém é uma ótima opção para quem prefere o estilo por essência e não usa tons prateados, nem acobreados. Ela também é ótima opção para maquiadores, afinal que noiva não iria pirar em cores tão românticas e clássicas?



Todos os swatches foram feitos sem primer, ou seja, venham chorar comigo com a pigmentação dessas sombras! Claro que é sempre bom usar um primer para faze-las durar mais, só que não é preciso algo que as potencialize. Eu não me arrependo nem um pouquinho sequer em ter gastado meu dinheiro nessas paletas, pois elas andam comigo para cima e para baixo e elas viraram meus xodós.

A Urban Decay agora tem um lugar cativo no meu coração e toda vez que alguém me pergunta, posso responder sem pensar que é um ótimo investimento! Se você é básica, essa paletas paletas vão ser seus melhores investimentos, pois ai não será preciso ficar comprando sombras de outras marcas. Você já vai ter tudo ali, na mesma embalagem! Compre só se você for uma louca por maquiagem como eu <3

Eu ganhei de Natal a The Vice 2, mas essa ai? Essa ai é assunto para outro post!

Look do dia: vencendo paradigmas

Quando eu era criança, minha mãe começou a frequentar uma igreja evangélica e apesar de ninguém nunca ter me obrigado a usar saias longas, eu sabia que muitos me olhavam de canto de olho por sempre manter meu estilo normal: roupas largas, tênis de menino (eu era meio maloqueira mesmo), cabelo preso num rabo de cavalo baixo.

Algumas vezes minha mãe sugeriu que eu escolhesse melhor as roupas que usaria para frequentar a igreja, porém nunca me obrigou, felizmente, porém ela sempre se preocupou se eu estaria adequada para o dress code da ocasião.

Por pouquíssimas vezes (acho que umas três no máximo) em todos os anos fazendo parte daquela comunidade, eu usei saia/vestido longo. Eram peças que não me deixavam à vontade, parecia que não era eu e se tem uma coisa que é ruim, é deixarmos de sermos nós mesmos por causa dos outros. A mudança exige uma elevação muito mais pessoal do que social, mudar por fora é fácil, mas viver de aparências é terrível.

Depois de resolver seguir com minhas crenças sem ter um lugar fixo para frequentar aos finais de semana, segui com a minha vida e aboli as saias e vestidos longos dela. Até que os modelos entraram no gosto da população feminina brasileira. Para mim, pelo menos no começo, foi quase um pesadelo, pois além de me remeter a momentos que me fazem triste, eu também tinha um questionamento muito forte: as mesmas pessoas que faziam piadas ridículas quando os "crentes" passavam vestindo suas longas saias pela rua, eram as pessoas que estavam as adotando como mais uma modinha.

E então a barreira que eu tinha com os longos, piorou. Eu ficava angustiada se tivesse que pensar em usar uma saia dessas na minha vida comum, sem ser em festa de casamento.

Mas que bom que a gente amadurece, muda, analisa os fatos e vence alguns paradigmas que criamos há tanto tempo. Quando comecei a usar os top Cropped, senti a necessidade de cobrir mais as pernas enquanto estava expondo tanto os ombros e um pouco da cintura. Então passei a cogitar a possibilidade em usar uma saia longa após tantos anos de trauma.

E foi assim que, aos poucos, passei a procurar algum modelo que eu realmente gostasse e que não me deixasse com cara de crente. Cheguei a provar (e achar caro) uns modelos de malha por uns R$40 reais, mas acontece que eu sou muito magra, então não é qualquer modelarem de qualquer loja que serve em mim.

Foi no último domingo antes do natal, passeando em um novo shopping de SP com a minha sogra, que avistei esse modelo dentro da Renner com um preço bem salgado: R$99. Porém resolvi experimentar e decidir com ela no corpo, afinal já tinha procurado alguns modelos e até então nada havia dado certo. E aí eu amei o caimento, o movimento e mesmo com o preço, resolvi comprar, para quebrar essa tal barreira. Até criei coragem para ir trabalhar com ela, mas senti dificuldade para subir e descer escadas sem levanta-la e também tive medo dela ficar presa na escada rolante, só que mesmo assim, me senti muito bem.





O bom em estar vivo é poder mudar e poder rever nossas convicções. Não acham?

Rasteira Riachuello R$70 | Saia Renner R$99 | Regata Besni R$25 | Colar 25 de março R$15

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Look do dia: um look de poucas palavras

Em alguns dias eu não quero falar tanto assim. Só mostrar mesmo qual foi a minha escolha. Tem vezes que sou atingida por uma inspiração impressionante e me arrumo de uma forma, mesmo que sutil, mas bem arrumada. Escolhi peças fluidas para um dia de muito calor, antes de acabar 2013.




E assim, com transparência e leveza, que eu levei um dia quente de jornada. O legal é que apesar da combinaçãozinha entre bolsa e saia, a mistura ficou leve e contínua, sem blocos muito diferentes. O branco completa a brincadeira proporcionando um pouco de frescor no look.

Rasteirinha Onself R$50 | Saia Eskala R$25 | Blusa Ebay R$6 | Regata Branca R$8 | Colar 25 de março R$15 | Bolsa Renner R$80

Diário da Blogueira - Jericoacoara/Passeios Turísticos pt 2

No dia seguinte seria nosso último dia "completo" no vilarejo, então fomos para a Tatajuba, outro passeio bem conhecido. E ainda passamos por uma situação curiosa: um dos outros hóspedes da pousada ficou tentando nos minar contra o passeio pela Tatajuba, pois ele alegou que era uma bosta, pois bem, curiosamente foi o passeio que mais amamos.

Esse passeio era mais longo e distante, então ele custou R$50 e por sorte o Chico, nosso bugueiro, não conseguiu mais ninguém para ir junto, então conseguimos um bugue exclusivo com o preço normal. No caminho para a Tatajuba, que é simplesmente incrível, tem o passeio dos cavalos marinhos, custa R$10, mas não quisemos ver!
Ao contrário, pedimos para ele nos levar na Pedra Furada depois do passeio, que é quando a maré baixa. No caminho para a Tatajuba que rola aquela paixão por Jeri e dá vontade de voltar: são quilômetros e mais quilômetros de uma praia vazia, sem ninguém, só uma faixa de areia e a imensidão do mar. Depois passamos por dentro de um mangue que o mar matou e é quase um Oasis no meio do deserto, de tão lindo que é.


na balsinha para alcançar o mangue :)
imaginem quilômetros de apenas isso e ame ninguém na frente ou atrás. pois bem. a maré baixa e formam essas piscinas naturais! quando a maré está alta o acesso é mais difícil e não dá para ir à beira mar!
entrando no caminho das areias para conhecer as grandes dunas 
Passamos ainda por dentro da Velha Tatajuba, que foi engolida por uma duna há mais de 20 anos (se quiserem saber mais da história, dessa vez, não joguem no google, vão até lá!!) e em seguida fomos para a parte paradisíaca do lugar: primeiro na Duna do Funil e depois para a Lagoa. A Duna do Funil fica no caminho das areias e é impressionantemente grande! Você pode descer de esquibunda ou de sandboard, ou ficar na vontade!! Eles disponibilizam uma corda para você voltar ou você pode pagar para subir de quadriciculo, eu tentei subir pela corda, mas estava muito quente e não aguentei!


ruínas na velha tatajuba

vista de cima da duna do funil: de tirar o fôlego

vale abaixo da duna do funil: a gente desce daqui de cima até lá embaixo de esquibunda <3
Já na lagoa, a vida foi como no dia anterior: sombra e agua fresca literalmente! Comemos lá e ficamos curtindo o clima maneiro que estava fazendo. Depois de toda essa andada que demos, voltamos para o vilarejo e partimos rumo à pedra! Existe um ponto limite para irmos de bugue, o resto? Temos que caminhar. Porém o caminho faz valer: de novo uma praia diferente de todas as outras. E a Pedra Furada estava lá nos esperando para nos impressionar com seu tamanho, com sua beleza e características peculiares.



Gente, não é possível que não encontramos uma pedra DESSE TAMANHO!! Tirando esse detalhe, vamos ao ponto turístico em si. A história da pedra é a seguinte: água mole em pedra dura, tanto bate até que fura! Pois é, por milhões de milhares de anos o vento e o mar abriram esse buraco no meio da formação rochosa que hoje é um dos pontos mais conhecidos do estado. Eu gostei de visita-la, ela é bem bonita e os arredores também!




No caminho para a Tatajuba tinha uma âncora encalhada e eu fiz o bugueiro parar quando estávamos voltando para fazer uma foto nela e como sou abusada, ENTREI nela, hahahaha Um amigo disse que era coisa de turista, porém essa âncora me fez sentir dentro de um filme pirata <3


Depois que retornamos, curtimos bastante nossa última noite no paraíso: andando, comprando, bebendo e amando <3 Vou fazer um post com dicas gerais sobre a viagem, para não ficar muito mais longo do que já está!

domingo, 5 de janeiro de 2014

Diário da Blogueira - Jericoacoara/Passeios Turísticos pt 1

Aproveitei os últimos dias de folga do recesso para viajar com o Th e estou aqui num sossego ótimo, mas recebi uns comentários de uma leitora fofa, a Juliana, me perguntando algumas coisas sobre a viagem de Jeri e como eu já passei do tempo para terminar os posts, então vamos lá né??

Ju e quem mais tiver interesse em ir para Jericoacoara: pesquise bastante! Tem várias opções de pousada e os passeios também variam muito de preço de bugueiro para bugueiro!

Vou começar falando sobre os dois primeiros pontos turísticos que conhecemos quando chegamos! Logo no primeiro dia nos deparamos com a Praia do Malhada e com a Duna do Por do sol, ambos ficam "ao redor" de Jeri e não custa nada para visitar, somente os seus pézinhos e disposição!

A Praia do Malhada fica do lado do Morro do Serrote e é mais vazia, lá ficam mais os praticantes de Kite e Windsurf, porém ela é lindinha e beeem quente. À tarde a maré baixa e ela fica ótima para banho. Acho que o mais fofo dela é que ela não tem a aparência de uma praia comum, ela tem muitas características do semi árido e faz bonito aos olhos!

praia do malhada vista de cima do morro do serrote


vista de cima da duna do por do sol

Já a Duna do Por do Sol fica do outro lado, cercando Jeri, como o nome sugere trata-se uma enorme duna onde os nativos e os visitantes sobem para deslumbrar o por do sol mais lindo de todos. Por volta das 17h todo mundo sobe e aprecia, mas não se assuste com o vento, pois ali qualquer um voa, então leve uma camiseta ou canga e esteja com a câmera a postos, será algo que vai querer registrar!

Agora vou falar sobre os passeios pagos. Nossa pousada tinha um acordo com alguns bugueiros e por R$40 por pessoa eles vinham nos buscar na porta da pousada. No primeiro dia fomos em 4 e foi sossegado, mas qualquer coisa, negociem para irem somente com a turma que estiverem!

No primeiro dia de passeio visitamos a Lagoa do Paraíso e a Lagoa Azul. Ambas são piscinas naturais de água doce e são bem legais. Primeiro demos uma passadinha na Lagoa Azul e confesso que não gostei muito dela, acho que foi o passeio que menos gostei, tinha um povo meio enjoado reclamando de tudo, não tava tão bonito e ficamos bem pouco, logo partimos para a Lagoa do Paraíso, que me conquistou muito mais! O acesso a ela é mais distante e ela é literalmente um paraíso! Lá bate muito vento (basicamente como em todos os outros lugares) mas a água tem um belo tom de azul turquesa e os arredores também são mais bonitos. As pessoas estavam mais agradáveis também, acho que tudo contribuiu. Ficamos lá até o meio da tarde e foi bem gostoso, apesar das instalações serem bem simples, então lembrem: nada de frescura!


lagoa azul com suas pessoas chatas e seu clima não maneiro (para mim)


lagoa do paraíso, apenas fazendo jus ao nome!

No mesmo dia, depois de um pequeno descanso, tentamos desbravar o Morro do Serrote. E quando digo que tentamos é porque foi uma tentativa frustrada hahahahaha acontece que o Morro do Serrote (que fica ao lado da Praia do Malhada) separa o vilarejo da Pedra Furada, um dos principais pontos turísticos do Ceará.

Alguns nativos nos disseram que era só andar uns 3km morro acima que chegaríamos na pedra, então pegamos uma garrafa d'água, a câmera e fomos. O clima no morro é diferente do resto do clima de Jeri: o vento é cortante e mais forte, tem cactos, calango (URGH), tem rastros de animais que vivem por ali e muita cara de deserto, porém a vista de cima do morro é impagável!






cactus <3

Andamos, andamos, andamos mais um pouco e por fim não encontramos pedra alguma. Até hoje não sabemos se passamos do ponto de descer, se nem chegamos perto ou se chegamos e tivemos medo de descer. Acontece que fomos só em dois e nossa destreza na natureza é meio limitada e fiquei com um pouco de medo de acontecer algo e não ter ninguém para ajudar, afinal estávamos muito longe da praia e das pessoas. Então voltamos!

Quer saber quais os outros passeios!? Aguarde MUAHUAHUA. Brincadeira gente, o post ficou muito longo e eu decidi dividir, mas libero o outro ainda essa semana!!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...