segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Diário da blogueira: Jericoacoara - Alimentação

Como Jeri é pequena você pode pensar que não terá lugar que agrade seu paladar, mas por ser uma vila tão cosmopolita e receber tanta gente de tanto lugar do mundo, existem todos os tipos de restaurantes possíveis e imagináveis. Vi desde o árabe, ao mexicano, passando pelo japonês e indo de encontro ao italiano. Fora esses, também tem restaurantes com a culinária regional, sorveterias, padarias e mercadinhos. Apesar de ter apenas cinco ruas principais, sua barriga está bem amparada.

Chegamos segunda feira à tarde e fomos dar uma volta para conhecer o lugar, depois de dar a maior volta pela Praia da Malhada (explico melhor depois) chegamos na beira da praia principal e alcançamos os restaurantes e bares que ficam ali. A Vanessa há havia me contado de um lugar que vendia crepe e quando chegamos o Rames também indicou. O lugar se chama Naturalmente e é bem aconchegante. Lá escolhemos crepes salgados (comi um de frango e o Th um de calabresa) e sucos diferentes do cardápio, o que deu por volta de R$45 reais, meio caro para um lanche da tarde, mas não almoçamos na parada da viagem, então tudo bem.


Voltamos para o hostel para um banho e resolvemos dormir um pouco, já que tinha sido uma longa viagem, e depois saímos para jantar. Andando pela vila, procuramos locais que nos agradasse e paramos num balcão para tomar caipirinhas. Comprovado, as caipirinhas em Jeri são as melhores por apenas, pasmem, R$8 reais.


Esse balcão fica em frente ao restaurante Senzala e bastou o Thiago ler de longe "Picanha Argentina" que nenhum outro cardápio seria capaz de nos conquistar naquele momento. Pensamos que por ser um prato diferenciado seria caro, mas o valor era ok: R$38 com duas guarnições, mas sabendo que não tínhamos feito uma refeição decente no dia, pedimos também um prato de filé mignon com fritas, com duas guarnições por R$30 reais. Tomamos Heineken para refrescar. Considerando que Picanha já é normalmente cara, a argentina estava com preço bom e com o gosto melhor ainda (saudades Senzala <3).


Saindo de lá subimos a Rua Principal e encontramos a pracinha e a sorveteria italiana super famosa, Gelato & Grano. Sabendo da minha paixão por sorvete, o Th me levou lá e me deixou escolher, então sentamos na pracinha para provar um dos melhores sorvetes da história. O pote com 3 sabores custa R$11 e eles não aceitam débito, mas também tem o potinho com dois sabores. Eu não achei caro, se tratando de sorvete italiano e ele vem bem caprichado.

No dia seguinte decidimos ficar na vila para curtir o lugar e deixamos os passeios para os outros dias. Fomos na praia de manhã e tomamos umas cervejinhas (parece que nosso relógio biológico fica todo doido nas férias), e quando resolvemos almoçar, quis ir num restaurante com cara de Brasil, o Dona Amélia. Ele é bem comida caseira, sabe? Tudo servido nos pratos de cerâmica e com um ambiente bem rústico. O Thiago e eu não somos acostumados e nem sabemos comer peixe, mas olhando o cardápio resolvemos escolher um para "porvar". Escolhemos peixe ao molho de camarão e vinha arroz, purê de batata, salada, farofa e feijão para acompanhar, tudo por R$70 reais o prato para duas pessoas. Não tirei foto de lá, mas é bem fácil de enxergar e conhecer, afinal lá tem forró de quarta e sábado.

À tarde paramos num beco para tomar açaí na lojinha "Açaí Brasil". Eu tinha tirado uma soneca e ainda estava meio sonolenta-chata e o dono da lojinha estava a fim de contar a história dele de como ele largou tudo em Fortaleza para viver em Jeri e tudo mais. Percebi que muitos lá fizeram isso. Bom, o açaí! O copão de 500ml custou R$9 reais e uma confusão à parte, acontece que eu não sabia que o açaí vendido em SP já era batido com o pó de guaraná para ficar docinho e me deu um nó na cabeça quando ele começou a explicar como deveria ser feito para ficar gostoso. Achei ok, prefiro meu açaí extremamente doce e gelado de SP.

Já à noite escolhemos jantar num lugar que estava vazio e tinha porções, já que eu não estava com tanta fome. Fomos no Espaço Aberto. Acho que ele não é muito badalado, pois sempre está vazio, mas tem preços baixinhos e é gostosinho. Lá pedimos uma porção de camarão e queijo coalho empanados e uma porção de batata frita com mais umas duas cervejas, totalizando R$30, aproximadamente e depois fomos para o balcão tomar uns bons drinks.


Desculpem por algumas fotos serem de celular e granuladas, acontece que eu não fiquei o tempo inteiro com a câmera (e ainda sim ela ficou com areia por dentro :c), depois conto o resto da saga alimentícia em Jeri!

Pitada de Beleza: Some kin-a Gorgeous - Benefit

Um pouco antes de entrar de férias comprei um kit de miniaturas da Benefit, na Sephora Online, o Primping With The Stars, que traz os queridinhos da marca de todos os tempos. Maquiagem de diva é com eles mesmos, pelo menos é o que diz o site da Sephora! Bom, vieram seis miniaturas e vou começar falando do que menos gostei até agora: o Some Kind - a Gorgeous.

Esse produtinho é uma base cremosa que fica com textura de pó, depois que aplicado. Veio na cor medium e acho que se ajustou melhor na minha pele quando eu ainda não estava bronzeada (quem vê, pensa que eu tô ultra bronzeada né?). Usei novamente depois da viagem e vou contar o que eu achei.



Produtos para a pele do rosto, em geral, são um problema para mim. Isso porque meu queixo tem um tom um pouco mais escuro do que o resto do rosto e se o produto tiver uma cobertura muito leve, essa parte fica levemente acinzentada com a maquiagem. E foi o que aconteceu com esse produto. Ele forma uma fina cama no rosto, cobrindo bem as pintinhas e manchinhas. Já as olheiras não ficaram completamente cobertas, mas como sei que as minhas são das brabas, nem espero que esconda mesmo.

E na região do queixo aconteceu o esperado, por ser um produto de cobertura leve: queixo com cor indefinida.



Vocês podem perceber que a cor do meu queixo fica levemente parecida com a cor das minhas olheiras. Enfim. O produto em si é bom sim. Depois de um pouco de corretivo e uma fina camada de pó, meu rosto ficou sedoso e com um bom acabamento, só achei muito fininho mesmo, se for para usar produtos assim, muito levinhos e com pouca cobertura, eu prefiro apostar apenas num bom corretivo.

Eu não investiria numa versão maior, mesmo que fosse num tom mais escuro, acho que o que não curto mesmo é o tipo de produto. O kit que comprei custou R$162 e veio com 6 miniaturas.

Vocês já usaram? O que acharam?

Look do dia: quando uma calça rouba a cena

Quando vi uma calças dessas no ebay, fiquei doida para comprar. Desisti. Depois vi um look da Tamy, do Derepente Tamy e, novamente, fiquei doida por uma. Mas ai o dólar estava caro e não quis comprar e esperar (às vezes enche o saco). Então, aproveitando as férias e o dinheiro a mais que vem com elas, fui dar uma volta pelo Brás com a minha mãe e o que eu encontrei lá? A BENDITA CALÇA!

Claro que não é exatamente a mesma, mas é uma genuína calça de quadrinhos. E que amor. Ela divide opiniões, só que eu não ligo. Só preciso me acostumar a usar algo TÃO estampado com algumas outras cores e estampas sem ficar parecendo uma doida varrida. Por enquanto vou usando com preto, para facilitar.



Usei essas roupa para ir com o Thiago no Roger, nosso tatuador, e para variar chamei a atenção de muitos e vi que a maioria achou estranho. Porém continuo com a máxima do "tô nem aí" e vou vivendo feliz com as minhas roupas doidas e diferentes. O melhor de tudo é que ela foi super baratinha e tem boa qualidade, comprei na loja Têxtil Abril (aquela dos comerciais, sabe?) e considerei um ótimo investimento: R$18 reais, bem costurada e com tecido bonzinho. A diferença é que não tem etiqueta famosa, mas ganhou meu coração mesmo assim!

Só relevem a cara praticamente sem nada e o cabelo sem graça, tem dias que tá tudo uma rebeldia só.

Creeper R$100 | Legging Têxtil Abril R$18 | Regata Têxtil Abril R$13 | Jaqueta Varsity Renner R$80 | Jaqueta Couro Handbook R$275
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...