segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Diário da Blogueira: Minhas tatuagens e seus significados

No meu último post a lindona da Thamy pediu para eu eu falasse sobre as minhas tatuagens no blog e tenho que confessar que já estava me preparando para isso mesmo, afinal é um tema que eu gosto muito e eu amo as que eu já fiz, então aproveitei para unir um pedido de uma leitora tão querida a um desejo antigo!

Bom, quero começar falando da minha relação com a tatuagem e como ela começou. Por volta dos meus 11 anos eu comecei a gostar de skate e hard core (até então eu gostava de músicas e coisas de criança mesmo, tipo Chiquititas e Rouge) e passei a incorporar o estilo mais skatista aos 12, 13 anos. Desde então passei a gostar muito de tatuagem e body modification, porém tive uma criação bem rígida, crescida dentro de igreja e sempre me foi ensinado que era algo errado.

Independente de como as coisas me foram ensinadas, eu passei a ter a minha opinião própria e sempre quis fazer todas as coisas que eu tivesse direito, porém sempre me prendi em respeitar o espaço da minha mãe, que não gosta e não aceitava nem um pouco bem. Entretanto em algum momento a gente tem que deixar se importar 100% com a opinião dos outros, mesmo que seja a da nossa mãe. Acho que mais vale a transparência de ser como sou, do que ficar fingindo ou evitando apenas para agradá-la. Sinceridade é tudo e constrói caráter (seja de um tatuado ou não).

Então eu furei as orelhas, furei o nariz, migrei para os alargadores (ainda que pequenos, para não chocar) e no fim do ano passado fiz a minha primeira tattoo:

 
"Some are dead and some are living. In my life i've loved them all" (Alguns estão mortos e alguns ainda vivem. Em minha vida, eu amei todos eles)

Essa tatuagem é uma homenagem póstuma. Grandes amigos nossos sofreram um trágico acidente e uma grande ferida ficou aberta desde então e eu sentia a necessidade de fazer algum tipo de homenagem. Eu tinha escolhido uma frase de uma música da Avril Lavigne que falava justamente sobre perder alguém: "The pieces of my heart are missing you" (Os pedaços do meu coração sentem a sua falta). Mas isso foi bem na época em que o acidente aconteceu e eu estava ainda muito angustiada com a perda. Como demorei quase 2 anos para criar coragem para enfrentar a minha mãe, meu coração se aquietou um pouco e pude perceber que havia uma maneira mais leve e bonita de fazer uma homenagem: dedicando àqueles que já se foram (não só ao Rafa e à Camila, como também a minha avó materna), e também àqueles que estão vivos e que eu amo muito. Sem contar que eu achei muito melhor me marcar com uma música que fala de sentimentos bons, como saudade, amor e amizade, do que uma tão triste como a da Avril. Foi isso que encontrei na música "In My Life" dos Beatles. O resultado foi essa bela e tão delicada tatuagem.

Depois disso resolvi tatuar uma referência à uma das minhas maiores paixões na vida:

Uma Estrela de Oswald
Muitas pessoas acham que é uma estrela de Davi, mas apesar de ter seis pontas, ela é coloridinha assim não porque eu tenho a mentalidade de uma criança de 5 anos, mas por se tratar de um estudo de cores, usado em tudo que for cor, e também usado na Maquiagem. Acontece que a estrela é formada por dos triângulos principais: um com as cores primárias (vermelho, amarelo e azul) e um com as cores secundárias (verde, laranja e roxo). São as cores que se neutralizam e complementam. Para uma pessoa que trabalha com o uso da cor é algo que faz muito sentido. Eu queria uma referência que não fosse óbvia (como um pincel, por exemplo) e deu super certo, eu adoro ela. Porém foi minha primeira tatuagem colorida e eu cutuquei o azul, formando um queloide, dá para perceber na foto!

No dia que fui retocá-la, aproveitei para fazer uma nova:

Participante Ativo da Eterna Mudança
É uma frase de uma música que eu gosto muito e faz muito sentido para mim. Suave, da banda Forfun (aka, banda favorita), desde quando eu fantasiava fazer tatuagens e queria ter um milhão delas, era algo que eu queria carregar comigo. Definitivamente eu sou uma pessoa em constante mudança, atenta aos acontecimentos ao redor e acabei tatuando isso no dia em que minha mãe foi embora para Minas Gerais com o meu avô, afinal quer mudança maior do que essa? Escolhi essa parte do corpo, porque eu acho muito legal e ainda sim não se tornou algo chamativo como fechar o peito, por exemplo. (Vamos lembrar que trabalho com assessoria de imprensa e as coisas são liberais, pero no mucho, infelizmente).

E anteontem fiz minha 4ª tatuagem:

Uma andorinha old school.
Eu gosto muito desse estilo e meu tatuador (que fez todas as minhas tatuagens até agora), é especializado nesse tipo de desenho (e no oriental também). A andorinha tem um significado muito forte para mim e uma simbologia marcante há muito tempo. Ela remete à lealdade, bem estar, família, amizade. Ainda remete à ligação forte com a nossa terra, com a nossa raiz. Um curiosidade sobre as andorinhas é que marinheiros tatuavam a imagem para dar boa sorte e esperança em voltar para casa, pois andorinhas não voam para muito longe da terra firme. Acho que o significado dela é lindo e me faz lembrar dos amigos e da adolescência. Amei o trabalho que ele fez durante uma convenção em Taboão da Serra e mesmo com a dor (meu pé ainda está bem inchado) estou adorando o meu novo desenho.

Esses são meus desenhos e os motivos pelos quais escolhi fazê-los. Eu não me arrependo deles e tenho a impressão de que sempre estiveram ali, engraçado né? Eu aconselho as pessoas a escolherem bem os locais e os desenhos que vão fazer para não ser algo passageiro demais. Tatuagem é algo atemporal, por isso não dá para seguir modinha nesse aspecto. Eu faço coisas que têm todo sentido para mim. Tenho outra a caminho e acho que depois dela vou sossegar um pouco, rs Mas é algo que eu gosto muito e com toda dor que está associada ao processo de tatuar, eu não as deixo de fazer, pois é algo que me dá muito gosto e felicidade. Acho uma arte corporal maravilhosa.

Espero que gostem! Se tiverem tatuagens, compartilhem suas histórias e fotos comigo!
UPDATE: Quem faz as minhas tatuagens é o Roger, conheço ele há muitos anos, desde o colégio e acompanhei toda a evolução dele, todo o profissionalismo e dedicação. Se estiverem procurando um tatuador bom e atencioso, podem apostar nele. Lembrando que o estilo dele é old school e oriental! Um beijo!

Look do dia: textura, uma aposta certeira

Não é só porque estou de férias do trabalho que o blog vai entrar de férias também, não é?!
Então vamos lá, que apesar dessa segunda-feira fria e chuvosa em SP, eu já bati o tanto de perna que eu pude! rsrsrs

Esse look eu usei tem alguns dias, para variar, e eu estava doida para usar essa calça que eu comprei no Bom Retiro. Ela tem um corte diferente das calças que eu tenho, é corte de calça social, mas o tecido é bem diferente, ele tem essa textura geométrica que dá um efeito visual muito legal.



Já cansei de dizer o quanto teu tenho dificuldade em misturar estampa com outras peças, então como era a primeira vez e eu não estava completamente segura do que estava fazendo, resolvi usar a t-shirt preta dos Ramones, e o meu tênis converse de couro e tava tudo certo, afinal não adianta inventar quando não há segurança, a probabilidade de sair alguma besteira é muito grande.

Esse é um dos meus looks do dia da preguiça, que ocorrem em dias mais frios e chuvosos e contam com a minha não disposição para criar qualquer coisa diferente do que uma calça jeans e quilos de blusas de frio, porém a escolha da calça com estampa diferente, deu um up no look tirando o ar de preguiça. Ponto positivo para a calça linda!

Eu comprei a calça numa loja que tinha várias promoções e ela saiu por R$20, não dava para não levar. Ela ficou um pouco larga para mim, mas eu gostei do estilinho dela, e vocês?

Gostei mais ainda por que foi muito barata, hahahahahaha

Tênis Converse R$90 | Calça Bom Retiro R$20 | Tshirt Ramones Mirôa Bom Retiro R$20
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...