terça-feira, 31 de dezembro de 2013

era uma vez em 2013


Era começo de ano como todos os outros anos quaisquer. Viagem entre amigos para os mesmos lugares com as mesmas pessoas. Mas algo estava fora do lugar comum: a vontade de mudança. E nas mínimas coisas.

Talvez esse seria o ano de deixar de sofrer na mão dos outros, mas por enquanto era apenas uma viagem entre amigos. Os dias se passaram e o mês de janeiro já está tão distante que as lembranças embaralham-se num emaranhado de curtos flashs. 

No emprego as coisas pareciam estar melhorando, dando certo, se uniformizando. Eram novidades, mais trabalhos, mais eventos. Mas o sentimento de mudança ali continuava.

Com pequenos problemas na família, o inesperado aconteceu: uma mudança para outro estado. As opções eram ir morar com a família numa cidade do interior de Minas Gerais ou dar um jeito de viver em SP. A decisão tomada foi correr para juntar grana e morar com na casa do namorado e a família enquanto a organização das finanças acontecia.

Nesse momento o ano começou a dar a sua volta de 360°. Nada mais de regalias, nada mais de carinho de mãe, nada mais daquilo que chamávamos de relação, já que ela era tão conturbada. Nova vida.

Os valores mudaram. As prioridades mudaram. Tudo de forma leve e cantada, se encaixando da maneira correta. Mas as mudanças não haviam acontecido por completo.

Naquele ano muita coisa ruim aconteceu. Pessoas se perderam umas das outras. Outras partiram. Algumas notícias ruins para fazer a cota de cada ano, afinal sempre tem aquele sentimento de tristeza que nos afunda em algum momento.

E para voltar à superfície? Mais mudança. Novos caminhos, novos amigos, novos rolês, novas prioridades.

As mudanças no trabalho também aconteceram, mas talvez não foram para melhor. Ainda não deu para saber. Mas aconteceram as férias, ah!, as lindas férias. E então tivemos a oportunidade de conhecer uma pontinha do paraíso. Foram dias espetaculares.

A mudança de viajar para um lugar tão distante, tão diferente, bonito e inquietante nos atacou de forma inesperada, agora queremos isso para sempre. E foi lá naquele lugar que meu relacionamento mudou: status noivado.

E quando eu pensei que nada mais podia mudar, voltei das férias e meu cargo na empresa mudou. Uns acreditam que foi uma promoção, outros nem tanto. Apesar das opiniões alheias, foi uma oportunidade. Oportunidade não para mostrar para os outros, sim para mim mesma, de quais caminhos sou capaz de tomar.

O ano vai acabando e depois de tantas mudanças, o pensamento de que ainda falta mudar continua. Mas deixa para pensar isso em 2014, quando o novo ciclo começar.

Look do dia: a saia que levanta quando o vento bate

Eita que tem coisa atrasada né? Mas como 2014 tá ai, vou liberando tudo que já tá pronto por aqui para começar o novo ano arrasando, ok?

Esse look eu lembro bem do dia que usei, pois foi algo meio traumático. Calor intenso: roupa fresca. O que eu não poderia contar era com a força dos ventos que resolveu fazer no dia e que a minha saia era de um tecido bem leve.

Foi assim o caminho inteiro: saia voando, nada de bermuda por baixo (porque é claro que isso acontece quando você não coloca bermudinha) e o desespero batendo, é bem irritante não poder ficar confortável com a roupa que estamos usando, né?



Porém eu fui um pouquinho esperta e tirei a bata de dentro da saia e ela acabou fazendo peso na saia, resolvendo meu problema sem gastar UM centavo! UFA!! E assim, mesmo com o look voador, fiquei fresquinha e colorida para aturar mais um dia de trabalho (trabalho no calor é sufrido!!)

Essa estampa étnica me conquistou mesmo e eu gostei de investir em peças estampadas, mas ao mesmo tempo neutras, já que com a estampa em preto e branco fica muito mais fácil de combinar, não acham?

Rasteirinha Riachuelo R$30 | Saia Eskala R$12 | Regata Besni R$25 | Bolsa Renner R$80

Diário da Blogueira: Jericoacoara - Alimentação pt 2

Com tamanha correria que tem sido desde que voltei para a agência, acabei não liberando, nem redigindo, os demais posts sobre Jeri (ainda quero falar sobre os passeios e pontos turísticos). Então, aproveitando o que já está escrito, aqui vai a segunda parte sobre alimentação!



Na quarta fizemos um passeio para as lagoas e almoçamos no restaurante da Lagoa Paraíso, lá só tinha peixe e o prato custava R$60, mas ele servia 4 pessoas facilmente, então dividimos com o casal que estava no mesmo buggy que a gente, e saiu R$48 com uma jarra de um litro de suco, mas porque dividimos em 4, já com taxa de serviço.

À tarde, quando chegamos, resolvemos ir no crepe comer uma coisinha leve, pois o almoço já tinha perdido a sustância com tanta aventura. Escolhi um crepe de nutella, kiwi e morango e o Thiago escolheu um de mussarela de bufala, rúcula e tomate seco, comemos juntos e os dois eram muito bons. Ao todo deu uns R$30 reais e foi mais um lanchinho leve mesmo, para aguentar até à noite.


TIPO MUITO GOSTOSO <3

Queríamos provar lagosta, já que estávamos vendo plaquinhas em todos os lugares. Tem um restaurante bem bonito mas era muito caro, então fomos no Restaurante Rústico e Acústico e nos apaixonamos. O espaço é muito bonitinho e cuidadoso e a comida muito boa. Como nunca comemos Lagosta, escolhemos um prato em que ela vinha já quebrada e pronta para comer, já que somos leigos de lagosta hahaha e ele era R$79, mais os sucos e serviço deu uns R$95, servindo duas pessoas com guarnições.



Na quinta fizemos outro passeio e no restaurante o cardápio era apresentado na bandeja! Sim, os camarões, as lagostas e os peixes vinham numa enorme bandeja para escolhermos! Achei o máximo hahaha, mas lá estávamos nós comendo peixe novamente sem manjar. Pedimos o que ele disse que era o mais suculento (logo o mais caro), porém quando dissemos que não aguentávamos um peixão daqueles, ele disse que fazia meio peixe, meio preço e conquistou nosso coração e bolso! Peixe com acompanhamentos e três cervejas, R$65.

Na tarde de quinta, visitamos o Granola, mas não gostei muito. Fomos tomar açaí, ele fica na pracinha também, mas não me dei bem com o açaí deles também! Era melhor do que o primeiro, mas achei caro e muito normalzinho para o preço: R$15 a tigela com 250g. O Thiago pediu um smoothie e era gostosinho também e igualmente caro, R$12 reais. Encontro em SP mais gostoso e barato.

Para jantar resolvemos voltar o Senzala e nos despedirmos daquele prato divino de picanha argentina. Isso porque já tínhamos comido todos os tipos de peixes e passamos nossa cota hahaha e também porque não queríamos pizza ou qualquer outro prato italiano. A picanha sempre será nossa escolha certeira e era nossa última noite na vila. Porém a parte gastronômica ainda tinha um capítulo: a padaria da madrugada.


plaquinha do amor no restaurante do amor <3

Em Jericoacoara existe uma pequena padaria que abre todos os dias às 2h e vende os pães mais saborosos da vida! A padaria Santo Antônio é bem antiga e, pelo que li em outros relatos de viagem, mudou bastante (parece que antes quem servia os pães era um casal de velhinhos e que o preço era irrisório, além de que os pães eram contados na camaradagem), mas agora ela é organizadinha: tem mesinhas, mocinhos para atender e preços mais que amigáveis: o pão mais caro era R$3,50. Tem pedaço de bolo e café servido direto na garrafa, bem coisa de interior (ele coloca a garrafa na mesa e você se serve), mas o meu amor foi o pão de chocolate preto: R$1,50 mais bem investido do ano! Um pão quentinho, saboroso, molinho, sem as frescuras das grandes padarias, só ele num pratinho de plástico duro! Fez valer eu acordar do meu sono para ir visitá-lo! Afinal não ficamos acordados esperando, nem estávamos farreando.



minha cara de quem acordou para ir na padoquinha às 2:30 da manhã <3

Pelo que entendi, a padoquinha do amor fecha às seis e tem que gente que vai mais de uma vez! Eu fui morrendo de sono, mas valeu à pena, só queria ter comido mais pães, porém o jantar foi pesado, né? A única situação estranha ocorreu durante o nosso retorno para a pousada. Como disse, trata-se de um pequeno vilarejo e são poucas ruas unidas por pequenos becos, tudo muito sossegado e movimentado, mas o único dia que andamos pela cidade de madrugada foi quando visitamos a padaria. Tecnicamente fomos na baixa temporada, então estava mais vazia mesmo e enquanto passávamos por um dos becos para ir embora, um menino que estava sentado (e nitidamente era local) ficou nos medindo, prestando muita atenção, instintivamente (como faço em SP) coloquei o celular do TH e a carteira debaixo do braço, como uma pequena bolsa e continuei caminhando e dando uma leve encarada. Ele foi caminhando para um beco escuro e pegamos o beco menos escuro para chegarmos na pousada. Até agora não entendemos qual era a daquele cara e nem se ele queria fazer algo, mas boa paulistana que sou, fiquei atenta e ele não tentou nos encontrar do outro lado. Acho que ele pensou que éramos gringos, sei lá, pelo menos nada de ruim aconteceu e nosso querido Rames acha que era só um notinha besta perdido na madrugada.

Por via das dúvidas: estejam atentos SEMPRE em qualquer viagem que fizerem, ok?

Vou tentar resumir em um post só os pontos turísticos que visitamos, aguardem, juro que vai demorar bem menos kkkk <3

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

PitadaTV: Make para o Ano Novo

Olá meninas, todas bem?
Mesmo com esse sumiço todo eu não pude deixar de gravar um tutorial especial para o ano novo. Fiz um para o natal também, que saiu  no blog Beleza Comprada, da linda Débora Reis, vocês viram?

Bom, mas a agora a sugestão é para brilhar na noite de ano novo e a sugestão é um prateado poderoso e gritante. Para aquelas que ainda não se entregaram para a moda do prateado na maquiagem vai a dica: fica bom com dourado também, mas a proposta é se jogar no brilho!


A maquiagem é chamativa e neutra ao mesmo tempo, para combinar com a roupa branca que escolherem para as festas! Dá para assistir o vídeo em HD, então aproveitem <3





Produtos usados:
base avon extra lasting - bege natural
corretivo yellow dailus pro
corretivo #345 make up for ever
blush dior health glow
batom nudita, quem disse, berenice?
lápis sobrancelha castanhel, quem disse, berenice?
paleta naked, urban decay
paleta naked 2, urban decay
paleta the vice 2, urban decay
delineador art pen, dior
cílio postiço #156 make up for ever
máscara noir couture, givenchy
lápis begete, quem disse, berenice?

Espero que tenham gostado do último vídeo tutorial do ano! Mas pode deixar que em 2014 vai ter muito mais ♥

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Look do dia: essa vida de estampas

Resolvi parar em pleno feriado de natal para criar alguma coisa para o blog. Estou com lindas novidades para contar por aqui (muita coisa de make) e começando a me organizar novamente para bloggar sempre, e ai que dei um pulinho nos rascunhos e vi que tem não um, mas TRÊS looks para postar, mais alguns outros posts. Então resolvi começar a liberar.

Além disso também tem alguns poucos looks no cartão de memória. Alguns poucos porque eu não tenho feito fotos, mas quero voltar a fazer, já deixei de fotografar várias opções e teve até roupa simples, barata e estilosa para a balada!

Então vamos lá.

Esse look eu usei: não lembro quando. HAHAHAHAHA Lembro que tive uma reunião no dia e lembro de ter me sentido meio inadequada. Enfim, de qualquer forma, a calça estampada pode ser um problema, já que combinar estampa com estampas é algo delicado e difícil. Pode até ter essas meninas que combinam e ficam super bem na foto, mas não são todas que pegam transporte público todo santo dia e estão tão expostas assim para simplesmente sair com roupas tão nada a ver para o trabalho.




Apesar de defender firmemente o lema de que devemos vestir o que nos faz bem e com personalidade, eu acho que algumas combinações de blogueiras e it girls chegam a ser distantes do mundo da gente, que é comum e tem que lidar com as outras pessoas do mundo no dia a dia. Afinal tem dia que eu não tô com saco para ninguém me medindo. E vocês?

Coturno Acalture R$115 | Jeans Renner R$99 | Tshirt Marisa R$15 | Jaqueta Handbook R$275

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

E essas tão sublimes lembranças

Esses dias vi uma TAG sobre infância e agora pouco li mais um texto nostálgico que falava sobre a pré adolescência. Toda vez que me deparo com esses temas sou bombardeada por emoções nostálgicas e tenho as mais diversas lembranças.


Lembro de como eu era magra,caipira e cabeluda. Tinha vergonha de expor minhas opiniões (quanta diferença, não é mesmo?), falar o que eu pensava em voz alta. Era mais fácil ficar nas besteirinhas de criança. Ainda na terceira série eu já sabia o que era uma amiguinha interesseira: aquela que só andava comigo quando eu levava salgadinho para a escola. Eu sempre fui muito da sociável, de conversa fácil, contadora de histórias, afinal aprendi com um mineiro como contar uma boa história!

Eu nunca fui vaidosa. Ou até mesmo feminina. E olha que cresci brincando de bonecas. Gostava de brincar com todos, independente do sexo, mas odiava aquelas brincadeirinhas bobas de menino e menina, pois, como já disse, eu era caipira. Um pouco mais velha eu comecei a entender esse negócio de paixão platônica, mas eu era feia, cabeluda despenteada, com profundas olheiras de família e olhos de cachorro pidão.

Nenhum menino gostava de mim. Pelo menos eu não sabia. Mas eu passava o intervalo (pois depois da 5ª série o "recreio" deixou de chamar "recreio") com as amigas que achei que seriam para a vida inteira, rindo de tudo que acontecia. E olha que acontecia bastante coisa. Lá pelos meados da sétima série eu comecei a me soltar um pouco mais, ser rebelde sem causa, usando lápis preto e camiseta de banda escondida da minha mãe, conservadora como sempre. Eu queria ser diferente das demais, ter algo que elas aparentavam não ter: cérebro. A verdade é que elas eram bonitas e queridas por todos por serem bonitas e eu? Eu era somente eu.

Na oitava série me apaixonei de verdade por um menino de cabelos enroladinhos e hoje eu entendi que ele se apaixonou por mim também, mas eu não acreditava, digamos que foram muitas paixões não correspondidas no currículo. E foi dele de quem eu gostei por alguns anos. Acho que se eu fechar bem os olhos posso até lembrar como eu me sentia perto dele. Mas fiquei pouco tempo com ele, de novo: medo da mãe.

O colegial para mim foi o paraíso. Eu era um perfeito moleque, só que eu tinha muitos amigos, conhecia todos na escola (acho que o termo "popular" é brega, eu só conhecia e me dava bem com todos que eu sentava para conversar, lembrem: contadora de história), mesmo andando de skate e vivendo despenteada eu tinha lá o meu carisma e vivia escutando coisas como "nossa, achava que você era chata" ou então de como eu vivia com todo mundo. Jogava handbol, cantava com os amigos no intervalo, tive pequenos amores (eu ainda pensava no menino de cabelos enrolados e que agora talvez ele nem gostasse mais de mim), tinha melhores amigas. Eu vivia intensamente, ainda com medo da mãe, mas intensamente. Alguns meninos até me achavam bonita!

E aí, tudo acabou e eu entrei para a vida semi-adulta (já que entrei na facu com 17 anos).

Hoje, quando sou atacada por lembranças tão sublimes, penso que foi a melhor época da minha vida. E sabe, eu sei que sofri muito na adolescência e infância. Mas hoje eu só consigo lembrar de como era bom. Talvez daqui mais dez, ou quinze anos, eu seja atacada pelas memórias da juventude. De como eu ia para o bar numa sexta feira de muito estresse e saía trançando as pernas acompanhada do meu namorado, de como eu cantava no karaokê com os amigos, de como as experiências de "primeira viagem" no trabalho foram mais divertidas do que constrangedoras, de como os chefes na verdade nem eram tão ruins assim (tirando minha chefe de hoje ♥).

Talvez eu pense no que eu estou vivendo hoje e ache tão sublime quanto eu considero a memória de quando eu dei meu primeiro beijo naquele menino de cabelos enroladinhos.

domingo, 15 de dezembro de 2013

Diário da blogueira: essas aleatórias palavras


Hoje sentei para gravar. Pensei em tudo que eu gostaria de ensinar ou falar. Mostrar e compartilhar. No meio do processo percebi que não mais queria. Que preferia parar, que não estava rolando. Então percebi que queria mesmo era escrever, falar muda, sem me preocupar com o fundo, com a iluminação ou se a dica que estou passando é interessante.

Peguei uma cerveja (sim, eu bebo) e vim para cá, terras cibernéticas, para ler um pouco dos outros, ver um pouco de mim mesma. Chega essa época do ano e parece que estou num ritmo quase parando, é assim com vocês também? É possível ver isso com o blog: nenhum motivo específico, porém abandonado. E apesar da falta dos posts com fotos das roupas que escolhi (justamente para mostrar no blog) para usar durante a semana, ou com os produtos que eu tô amando no momento, e até mesmo com as coisas pitorescas do meu noivado, estou eu com saudade apenas de escrever.

Sem mais delongas, nem maneiras de chamar atenção. Sem me preocupar se alguém vai comentar ou não. Estava apenas com saudade de escrever coisas aleatórias. Como na minha adolescência, em que todos os cadernos que tinha: havia poesia, da barata, assumo, mas que tinha algo incansável dentro de mim: as palavras. Tinha letra de música, pseudo composições, textos revoltados contra a criação que me era imposta. Tinha palavras soltas que nada diziam para qualquer um que pegasse o caderno e tentasse ler, mas que faziam todo o sentido na minha cabeça.

Eu queria o mundo e ao mesmo tempo não queria nada. Essa era a coisa que mais me desconcertava.

Acho que continuo assim.

Apesar de todos os pesares de escolher ser uma "blogueira" de moda e beleza (até porque hoje em dia precisa ser profissional para usar esse termo), eu ainda sinto que nem sempre tenho a profundidade e a complexidade da Vivian no que preparo para o blog.

Sabe aquela sensação de que falta um pedaço a ser dito? A ser revelado? Então, mas não sei qual. E nem sei se precisa ser dito, mas que fico nessa indecisão, eu fico. Sem nem saber o porquê.

sábado, 7 de dezembro de 2013

Look do dia: transparência marota

Eita que demora para sair look do dia no blog hein?

Mas eles estão aqui, fotografadinhos, esperando uma chance para aparecer! Esse look eu montei num dia que estava um pouco mais frio e eu havia usado um suéter por cima da blusa transparente e por isso não coloquei nenhuma camisetinha por baixo. Daí que estava rolando uma reforma na agência e eu tive que encaixotar algumas coisas e tirar o suéter.

Resultado? Transparência marota na vida da pessoa. Podem notar meu umbigo aparecendo, hahahaha Porém é isso quando não nos avisam qual o cronograma, né?




Como podem notar, alguma coisa manchou a minha calça e só percebi depois que já tinha saído de casa, mas depois vou tentar tirar com bicarbonato de sódio, funciona super bem! Acho que, apesar das cores serem mais apagadas, combinam entre si de maneira equilibrada e mesmo a camiseta sendo quase da mesma cor que eu, adoro ela mesmo assim!

Bolsa Renner R$80 | Coturno Azcalture R$115 | Calça Renner R$70 | Camiseta Brechó Chamonix R$10 | Jaqueta Bomber R$18

Pitada de Beleza: Pigmentos da MAC

Quando comprei o Riri Woo com a Flavinha Alonso também pedi três pigmentos a MAC fracionados. Ela vende cada potinho por R$15 reais e é uma forma muito útil de ter várias opções sem gastar muito, pois para usar um pote inteiro de pigmento você pode levar uma vida inteira e ele é muito caro, então vale muito à pena mesmo.

Escolhi três cores diferentes entre si para começar: Reflects Antique Gold, Deep Blue Green e Reflects Blackned Red.


Todos são muuuito bonitos e ricos. O pigmento da MAC é super fininho e rende horrores, além de durar bastante também, é possível ir construindo camadas com ele para deixar a maquiagem cada vez mais carregada. Olhem o detalhe de cada um:




O mais diferente é o  Deep Blue Green, ele é um azul esverdeado com fundo marrom. É confuso, mas é MUITO lindo! O que menos gostei até agora foi o avermelhado, achei os outros dois muito mais poderosos! Olhem eles à luz natural:


E com flash:


Achei que foi um bom investimento, pois é um tipo de produto que valoriza muito a maquiagem, agora já quero comprar outros! Vou mostrar aqui no blog como usar pigmento, pois não é uma coisa muito fácil de princípio, hahahahahaha Arrasem!

Beijo

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

PitadaTV: Como fazer marcação no rosto

Estava meio com preguiça de postar, acreditam?
Pois este final de ano tem sido muito cansativo e até mesmo um pouco triste, acho que esse estresse (mesmo após férias tão maravilhosas) e esse cansaço acabaram me desanimando de tudo em geral, mas é claro que eu venho postar, pois sei que tem lindas que visitam sempre!

Então chega de Blábláblá e vamos para o vídeo que está mais interessante do que esse papo chato, hahahaha! E hoje vocês vão aprender de uma forma prática e simples a fazer a pele com marcação de luz e sombra, então aproveitem e arrasem!!

Aliás, dá para ver em HD, viu?

Olha como o efeito fica depois da maquiagem pronta!



Espero que tenham gostado ♥

Beijos
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...