terça-feira, 31 de julho de 2012

Glossário de Moda: Audrey Hepburn Parte I

Já que amanhã de manhã eu começarei numa nova empresa e não sei qual vai ser o ritmo, vou deixar o post publicado a partir de agora e à noite vai ter mais! Torçam por mim, gente linda e malavilhosa <3

No post “Ser It Girl ou não ser? Eis a questão”, usei uma foto da Audrey Hepburn para ilustrar o texto e resolvi falar um pouco sobre ela no Glossário de moda de hoje, afinal ela é um ícone de estilo e marcou a moda, principalmente com seus filmes.

Audrey foi uma atriz, modelo e humanista belga, radicada na Inglaterra. De acordo com o American Film Institute, é a terceira maior lenda feminina do cinema e foi eleita em 2009 a atriz de Hollywood mais bonita de todos os tempos. Audrey Kathleen Ruston, seu nome verdadeiro, nasceu em 4 de maio de 1929 e faleceu em 20 de janeiro de 1993, e era filha única do banqueiro Joseph Anthony Ruston e da baronesa Ella van Heemstra.


Aos 9 anos, Audrey foi enviada para internato na Inglaterra, pois seus pais iniciaram o pedido de divórcio e não queriam que ela sofresse com as brigas familiares e foi nessa época que se apaixonou pela dança, aprendendo o balé. Entretanto, em 1939 a Segunda Guerra Mundial estourou e a Inglaterra declarou guerra à Alemanha. Sua mãe, nesta época, achou melhor levá-la para a Holanda, país neutro, com medo de Londres ser bombardeada, mas o que não podia esperar é que o país fosse invadido por nazistas, transformando sua estadia difícil e cheia de privações.

Ela esteve envolvida com a Resistência e acabou presenciando a morte de muitos parentes, além de participar de espetáculos de balé clandestinos para angariar fundos e levar mensagens em suas sapatilhas. Ao final da Guerra, Audrey e a mãe retornaram para a Inglaterra e jovem ingressou na escola de dança de Marie Lambert, entretanto teve seus sonhos interrompidos por uma professora: ela era alta demais e não tinha talento para se tornar uma bailarina. 



Com isso, passou a trabalhar como corista e modelo fotográfica para conseguir sustentar a família, mas foi nesse momento que Audrey decidiu investir na atuação. Estreou no documentário Ducht In Seven Lessons e em 1952 viajou para França a fim de gravar Montecarlo Baby e foi vista no saguão do hotel por Collete, escritora, que na época trabalhava com a montagem para a Brodway da peça Gigi, que ainda não tinha o papel principal, e encantada, escolheu Audrey para ser a intérprete.
Seu primeiro prêmio foi o Oscar de Melhor Atriz pelo filme A princesa e o Plebeu, onde atuou no papel principal ao lado de atores e diretores consagrados do cinema, surpreendendo a todos com seu talento e beleza. Ainda, na mesma semana, recebeu o Tony por sua atuação em Ondine e pouco tempo depois foi indicada ao Oscar novamente por Sabrina.

Audrey se casou com Mel Ferrer em 1954 e Sean, filho do casal, nasceu em 1960, entretanto até conseguir dar a luz, a atriz sofreu diversos abortos, após tantas tentativas frustradas ela ficou extremamente deprimida, afinal queria muito ser mãe. Para animar a atriz, Mel incentivava que ela trabalhasse, então gravaram juntos Guerra e Paz, Audrey gravou três comédias românticas, (Cinderela em Paris, Amor na Tarde e A Flor que não morreu), um drama (Uma cruz a beira do abismo, que rendeu a terceira indicação ao Oscar) e um faroeste (O passado não perdoa).


Continua.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...